Há alturas em que algumas divisões da casa se indispõem de forma desregrada. Há momentos em que não sabemos onde arrumar mais vestimenta. Há ocasiões em que a cabeça parece transportar carga a mais. Há dias em que o trabalho surge em sobrecarga e repleto de tremendismo.

Nestas indeterminadas ocasiões avalia-se toda a bagagem que transportamos ao longo de uma vida.

Temos coisas a mais. Trabalho a mais, roupa a mais, livros a mais, conhecimento a mais e demais pertences e haveres – físicos e terrenos. Alguns destes nunca mais cotiar, ver ou tão somente tocar.

Grande parte do tempo, carregamos bagagens e gerimos diferentes espaços de arrumos. E grande parte do tempo toda esta carga desobriga-nos de cuidar e estimar toda a outra bagagem que não ocupa espaço, que não cansa e que gratifica. As emoções e afectos, os amigos e a família.

Sabemos que temos coisas a mais no momento em que procuramos algo que temos e não a encontramos em lado nenhum.

Anúncios