Archive for Janeiro, 2009


Adeus Companheiro Jóli!

Foto do Jóli por Pedro Gonçalves

Foto do Jóli por Pedro Gonçalves

Há notícias que chegam revestidas com a capa da tristeza mas ao mesmo tempo destilam uma sensação de gratidão.

Todos sabemos que a vida tem a sua finitude, e por isso, nas horas de partida há que relembrar o privilégio que foi privar com alguns seres que conhecemos nesta existência. O Jóli foi um desses seres.

Amigo Jóli, acho que te posso chamar assim, foi um prazer ter-te conhecido e a maior honra que te posso fazer é relembrar-te com uma escritura que te dediquei no passado.

Um afago no dorso e até um dia!

Jóli, o cão que é malta!

Todas as terras têm as suas figuras. Símbolos que atravessam gerações, e que, devido a alguma excentricidade, se tornam populares, tornando-se parte do património cultural de todo um povo. Há os bêbados, as mulheres de mau porte, aqueles que ainda conservam alguma profissão mais tradicional ou fora do comum, aqueles a quem “falta um parafuso”, e há também os que conjugam um pouco das características anteriores. No Sardoal há todo esse tipo de gente. E há o Jóli!

Começo por dizer, para quem não sabe, que Jóli é um cão. Sem donos definidos, com muitos amigos indefinidos. E é, provavelmente a figura mais popular do Sardoal, neste início de século. O Jóli é um boémio. É possível encontrá-lo virtualmente em qualquer local onde haja o menor indício de festa. E se não vai pelos seus meios, alguém o há-de levar. Sim, porque dão boleia ao Jóli, para bares, discotecas, arraiais populares. Ele sabe o que fazer quando se abre a porta do carro. Senta-se no banco de trás (sente-se inseguro no lugar do pendura), e é vê-lo sentado nas patas de trás, como que dizendo, “Para onde vamos? Onde é a festa?”. E é vê-lo chegar ao local, e ser cumprimentado por todos. Ele nunca nega um cumprimento.
Muitas vezes o Jóli parece ter o dom da ubiquidade. Estamos num bar, com o Jóli a circular entre o pessoal, mudamos de local e lá está o Jóli, a cirandar, como se de um local para outro, o seu único esforço, fosse um passe de mágica. O Jóli pode aparecer nos locais mais inesperados, às horas mais inusitadas, mas é natural que o faça, é sinal que um bom grupo de farra está reunido.
O Jóli não ladra, é raro responder aos outros cães, até porque não está para isso. Ele quer é boa disposição, e estar entre os amigos, sem “más ondas”. É também uma questão de classe, ele sabe que é cão, mas não se porta como tal, ele só responde na sua língua, e essa vai muito para além dos latidos.
O Jóli tem hábitos, porque nem só o homem é um animal de hábitos, dorme de dia, anda de noite. Na Semana Santa costuma estar junto ao Café Avenida, deitado, a ver as procissões passarem, e sempre acompanhado. O Jóli não vai às cadelas! Até correm rumores acerca da sua sexualidade, mas nem isso lhe tira popularidade… Acho até que o Jóli poderia integrar uma lista nas próximas eleições autárquicas, ficaria bem como vogal de uma Junta de Freguesia, e ninguém como ele, corre estes caminhos, de dia e de noite (especialmente à noite), e se dá bem com toda a gente.
Todos temos histórias com o Jóli, algumas que parecem quase de ordem do sobrenatural. Talvez seja por isso que ele é tão popular, todos nós temos um bocadinho de Jóli na nossa vida.

O Jóli não é pessoa, mas é gente…

“Alguém falou da tristeza e do vazio do olhar dos animais. Vi a tristeza, em certos momentos, no olhar do cão. A tristeza de quem quer chegar à palavra e não consegue. Mas não vi o vazio. O vazio está talvez nos nossos olhos. Quando por vezes nos perdemos dentro de nós mesmos. Ou quando buscamos um sentido e não achamos. O cão sabia o sentido, o seu sentido. E nunca se perdia.”

Manuel Alegre, “Cão Como Nós”

O Melhor do Mundo!

Face a verve, elegância e sagacidade a que nos habituou Cristiano Ronaldo nas suas enunciações públicas, creio que dificilmente algum dia ouviremos algum relator proferir: ” Cristiano Ronaldo é o cérebro desta equipa!”

Num salão de barbeiro algures em Benfica, Horácio é despertado para ferramentas basilares para vidas sexuais masculinas activas pós-40.

– O comprimido de 10 mg “dá para 3 seguidas”. O comprimido de 20 mg “dá pau uma semana inteira” e até parte vidros se houver necessidade disso.

– A embalagem de cápsulas de 10 mg custa 29 €. A embalagem de cápsulas de 20 mg custa 49 €.

– Quando se vai para a praia com uma amante africana, à cautela devem escolher-se praias pouco frequentadas. Um branco e uma preta juntos dão nas vistas e algum conhecido da esposa pode enxergar.

– A entrega da virgindade feminina a um homem pode ser um ardil feminino. Há mulheres que iludem os machos jurando a entrega da sua virgindade, mas no fundo estão somente menstruadas. Há uma moça no Fonte Nova que faz disso práctica corrente.

As declarações sobre a vida sexual do género assumem contorno de revelações quando se tem a máquina zero a percorrer-nos cabeça…

Farto de não ter mulheres brancas na sua vida, Roberto começa a sentir que é altura de ficar farto de não ter mulheres negras na sua vida…

Vontades…

Vejo ali na TV um desfiar de votos e desejos para 2009.

Anda meio mundo a desejar dinheiro, paz,  saúde e emprego.

Cá para mim pode ser “só” o ano em que surjam expectativas, sonhos e vontades. Deixo para 2010 o seu cumprimento.

Acabaste de chegar!

Sê bem vindo e traz boas novas!